Cultura de dados:
a peça que falta para o seu sucesso na era dos dados

As empresas estão investindo trilhões de dólares para se tornarem organizações impulsionadas por dados, mas apenas 8% delas consegue escalonar a análise de dados com sucesso para extrair valor dos dados. O que separa as melhores do restante?

É preciso muito mais do que tecnologia

Para ser uma empresa verdadeiramente impulsionada por dados, é necessário mudar mentalidades, atitudes e hábitos, incorporando os dados à identidade da organização. As pessoas devem querer usar os dados e incentivar os demais a fazer o mesmo.

Na era dos dados, os líderes têm uma nova missão

Apenas 8%

das empresas conseguem adotar a análise de forma escalonável.

A cultura é um fator primordial do sucesso

Em uma cultura de dados, as pessoas fazem perguntas difíceis e questionam ideias. Elas se unem na missão comum de usar os dados para evoluir como organização e como indivíduos. Líderes inspiram as pessoas com ações, baseando as decisões nos dados, e não na mera intuição.

Confiança

Os líderes criam uma base de confiança nas pessoas e nos dados

A confiança é a raiz de uma cultura de dados sólida. Os líderes confiam em sua equipe, a equipe confia nos dados e todos confiam uns nos outros.

As pessoas que conhecem a fundo a empresa têm dados à sua disposição para tomar decisões com confiança. Elas têm o respaldo do modelo certo de governança de dados que possibilita o acesso amplo e seguro. Isso cria uma fonte única de informações, impedindo que as equipes fiquem isoladas umas das outras e possibilitando a formação de relacionamentos colaborativos e de plena confiança. Como resultado, as informações extraídas dos dados não se restringem a um único departamento. Elas são compartilhadas em toda a organização para que todos possam encontrar soluções que causam impacto.

Com os dados, as pessoas podem estabelecer relacionamentos de plena confiança

As equipes incentivam a transparência e o acesso aos dados

A governança de dados inspira a confiança nos dados

As organizações definem expectativas claras a respeito do uso responsável dos dados

A equipe de BI estabeleceu uma base sólida de governança de dados para garantir que todos tenham acesso às métricas mais importantes.

Compromisso

As pessoas tratam os dados como um ativo estratégico

Em organizações com culturas de dados de sucesso, a importância dos dados e da análise se reflete em ações e não apenas em palavras. Essas organizações se comprometem a extrair um valor real de seus ativos de dados e, em vez de simplesmente armazenar e coletar dados, elas ajudam as pessoas a usá-los para tomar melhores decisões.

Esse compromisso fica evidente em todos os aspectos da organização, desde a estrutura organizacional até os processos diários. Há um executivo dedicado ao uso dos dados na organização. Ele é responsável por garantir que os projetos de análise contribuam para as principais iniciativas comerciais.

Os executivos não só incentivam uma abordagem impulsionada por dados, mas também a adotam na prática

A estrutura organizacional reflete o valor dos dados

Os objetivos analíticos influenciam os processos e a coleta de dados

O apoio ativo da liderança da empresa é fundamental para a transformação com os dados. A Tableau passou de algo funcional para uma solução empresarial, com o apoio do diretor executivo. A área de negócios que mais adota as ferramentas de análise é aquela que teve seu diretor participando do treinamento do Tableau com a equipe.

Talento

As organizações priorizam conhecimentos de dados ao recrutar, desenvolver e reter talentos

No final das contas, uma cultura de dados é formada por pessoas que entendem de dados. Mesmo com os melhores processos e tecnologias, se as pessoas não souberem trabalhar com os dados, elas jamais serão impulsionadas por dados.

Os executivos devem priorizar os conhecimentos de dados como parte da estratégia de talentos, incluindo os processos de recrutamento e capacitação. Esses conhecimentos devem estar definidos com clareza nas vagas de emprego e ser identificados no processo seletivo. Todos na organização devem se sentir confiantes para encontrar os dados certos, aplicar conceitos analíticos ao seu trabalho e compartilhar suas descobertas.

As vagas de emprego para todos os cargos devem pedir conhecimentos de dados

As equipes devem adaptar os programas de capacitação para todos os cargos e níveis

Os líderes devem incentivar e premiar o uso dos dados

Quando anunciamos nosso treinamento, recebemos mais de 120 respostas em menos de 72 horas. Ficamos impressionados com o entusiasmo dos usuários atuais e novos para expandir seus conhecimentos no Tableau e poder atender às suas próprias necessidades de dados com autonomia, o que traz grandes benefícios para a organização como um todo.

Compartilhamento

As pessoas se apoiam entre si e desenvolvem um senso de comunidade

A maioria dos problemas que vale a pena resolver não se limita a uma única equipe ou linha de negócios. Sua resolução requer dados de vários sistemas e a colaboração de diferentes equipes. Em uma cultura de dados, as pessoas têm um propósito comum: usar os dados para melhorar a organização. Juntas, elas amplificam a diferença que podem fazer com os dados.

Esse espírito de compartilhamento cria uma energia contagiosa semelhante a uma “corrente do bem”, desenvolvendo um senso de comunidade que é demonstrado em reuniões, grupos de mensagens e portais. Essas atividades são formalizadas em comunidades internas voltadas aos dados e à análise.

As pessoas compartilham práticas recomendadas ativamente em toda a organização

As equipes compartilham os dados entre departamentos para contribuir com os objetivos de toda a empresa

Os líderes criam tempo e espaço para que as pessoas possam participar das comunidades

As pessoas querem ver o sucesso umas das outras. Na página da comunidade, os colaboradores fazem perguntas sobre o Tableau, e os usuários mais experientes respondem imediatamente.

Mentalidade

Os dados se tornam um propulsor de melhorias em toda a organização

Desenvolver uma mentalidade que coloca os dados em primeiro lugar é tão importante quanto desenvolver conhecimentos técnicos em dados. Em uma cultura de dados, as pessoas priorizam os dados à intuição, suposições ou classificações. Quando essa mentalidade é compartilhada por todos, ela cria um diálogo aberto em que ideias se transformam em exploração e inovação.

Os dados são vistos como uma fonte de crescimento pessoal e desenvolvimento profissional. As pessoas ficam curiosas e dispostas a questionar suas próprias hipóteses com os dados e se abrem para ser desafiadas por outras pessoas. À medida que todas essas práticas impulsionadas por dados se tornam hábitos, há uma mudança de percepção, e as pessoas começam a associar os dados a melhorias, sucesso e crescimento.

As pessoas incentivam a experimentação e a inovação

As organizações se concentram em alcançar resultados em vez de ostentar métricas

As pessoas ficam mais abertas a questionar ideias com os dados

Quando implementamos o Tableau, nosso objetivo era simplesmente gerar relatórios e criar painéis. Não imaginávamos que ele mudaria radicalmente o DNA da organização.