Como criar uma organização impulsionada por dados

Principais perguntas e recursos

A maioria das organizações, principalmente grandes empresas, está dedicando recursos para coletar, armazenar, proteger e analisar seus dados. De fato, uma pesquisa recente realizada pela Bain revela que dois terços dos mais de 300 executivos entrevistados afirmaram que suas empresas fazem investimentos pesados em análise de dados, e mais da metade também espera um retorno transformador sobre seus investimentos.

Qual é o motivo desse foco tão forte nos dados? O McKinsey Global Institute afirma que organizações impulsionadas por dados têm uma probabilidade 23 vezes maior de conquistar clientes, seis vezes maior de reter clientes e 19 vezes maior de ter negócios lucrativos. Com esses parâmetros de sucesso e a promessa de descobrir informações que revolucionam os negócios ao seu alcance, empresas como Charles Schwab, Jaguar Land Rover, Lenovo, entre outras, estão usando os dados para encontrar informações que causam alto impacto. Essas informações estão gerando resultados positivos, como tomada de melhores decisões, otimização das operações comerciais e maior engajamento dos clientes.

Tornar-se uma empresa “impulsionada por dados” nem sempre é uma tarefa fácil, e provavelmente haverá alguns obstáculos no caminho. Isso acontece porque os dados e a tecnologia por si só não são suficientes para aumentar o sucesso de uma organização. É necessária uma mudança de mentalidade e a dedicação tanto da liderança como dos funcionários. Para orquestrar as mudanças de forma eficiente, é necessário o apoio dos executivos, bem como agilidade, proficiência em dados e uma comunidade ampla e ativa para garantir que a missão, as metas e as necessidades de toda a sua organização sejam atendidas em termos de processos e tecnologia.

Por onde começar para desenvolver uma cultura impulsionada por dados

As organizações devem considerar essas e outras questões conforme se esforçam para adotar uma cultura impulsionada por dados, bem como para saber se estão preparadas para pensar, agir e se comportar de forma diferente com os dados.

  • Qual é a nossa estratégia como organização e, caso ela ainda não exista ou não esteja definida com clareza, quais de nossos problemas os dados poderiam ajudar a resolver?
  • A liderança está contribuindo para colocar os dados no centro da tomada de decisões?
  • Há uma compreensão sólida dos dados existentes, e as pessoas confiam neles?
  • Quão sofisticada é a nossa abordagem de gerenciamento de dados e quais recursos poderiam melhorar ou ajudar a organização a escalonar a estrutura com confiança?
  • Que processos, caso haja, precisamos otimizar para garantir uma governança de dados sólida?
  • Que recursos os funcionários têm à sua disposição? Há lacunas nas habilidades de dados em vários níveis da organização?
  • Estamos seguindo práticas recomendadas de análise e, em caso negativo, que padrões organizacionais deveriam ser instituídos para garantir que práticas consistentes sejam seguidas?
  • Temos uma ampla comunidade interna já comprometida ou que se comprometerá a despertar o interesse das pessoas pelos dados e pelo impacto que eles podem ter na organização? Em caso negativo, como podemos desenvolver essa comunidade?

Recursos fundamentais de uma organização impulsionada por dados

Após considerar essas perguntas primordiais, você estará ansioso para embarcar na jornada de criação de sua cultura de dados. Ao fazer isso, você resolverá alguns problemas comerciais complexos, como aquisição e retenção de clientes, marketing direcionado e eficaz, inovação e desenvolvimento de produtos, garantia e controle de qualidade etc. Você também ganhará vantagem competitiva para ter sucesso de curto e longo prazo.


Conquiste o apoio dos executivos para a causa “impulsionada por dados”

Não é à toa que apenas 32,4% dos executivos afirmam ter conseguido adotar com sucesso uma cultura impulsionada por dados, como divulgou a NewVantage Partners. Para se transformar em uma organização impulsionada por dados, é preciso muito mais do que apenas tecnologia. Como a mudança requer novos processos, habilidades e comportamentos para viabilizar a implantação de uma solução de análise de autoatendimento, os executivos têm um papel fundamental em apoiar e orquestrar essa mudança.

Se eles acreditarem genuinamente que todos os funcionários podem fazer descobertas revolucionárias encontrando informações relevantes nos dados, estas etapas ajudarão a impulsionar o sucesso de sua organização enquanto transformam seus negócios:

  • Trate os dados como capital e priorize seu uso por todas as funções da empresa.
  • Dê a todos os funcionários acesso a informações relevantes alinhadas à experiência profissional.
  • Atribua e comprometa recursos para criar uma equipe de projeto formada por várias pessoas empenhadas em escalonar a solução de análise e definir tudo que é necessário para suporte, treinamento e gestão de mudanças.
  • Adote uma solução de tecnologia flexível, fácil de usar, escalonável e governada.
  • Ofereça treinamentos formais e informais, atividades de aprendizado e mentoria para expandir os conhecimentos e a experiência a fim de garantir a aplicação prática dos dados e maximizar o retorno sobre os investimentos.
  • Recompense o uso dos dados incorporando-o nas avaliações de desempenho e oportunidades de promoção.

A Jaguar Land Rover passou a ter conversas de negócios impulsionadas por dados com seus diretores, adotando uma solução de análise e insistindo para que ela fosse usada para gerar todos os relatórios da diretoria. Em menos de um ano, três quartos das equipes da empresa já estavam criando e mantendo seus relatórios em um só lugar, e a Jaguar Land Rover mais do que duplicou o uso de sua ferramenta de visualização de dados, democratizando a análise em todos os departamentos.


Priorize a proficiência em análise em toda a empresa

Para que qualquer pessoa possa analisar dados com destreza em seu trabalho, ela deve ter proficiência em dados. Além das habilidades certas, é necessário ter uma inclinação a tomar decisões impulsionadas por dados em vez de seguir apenas o instinto ou a intuição. Organizações com uma cultura de dados de sucesso contratam pessoas com os conhecimentos certos e a aptidão para tomar decisões impulsionadas por dados, além de ajudar os funcionários a desenvolver suas habilidades de análise com treinamentos, demonstrações práticas e outras atividades.

Uma empresa que estimula regularmente e apoia pessoas que desafiam os paradigmas tradicionais encontrará menos resistência dos funcionários. Estimular a curiosidade e a descoberta com os dados se torna parte da rotina. A análise de autoatendimento também desempenha um papel importante na capacitação das pessoas. Uma empresa que permite a análise de autoatendimento verá os dados serem incorporados em todas as conversas, que começam e evoluem a partir de perguntas, investigações e momentos de descoberta.

O uso da análise na Charles Schwab disparou quando a empresa mudou sua forma de tratar a experiência dos funcionários com os dados, desde o acesso até a análise de dados. O número de usuários passou de 6 mil para 16 mil (quase 90% da empresa) em 18 meses graças ao investimento em treinamentos e ao compromisso com o sucesso da equipe. “Desenvolvemos uma abordagem que contempla tanto analistas experientes quanto usuários iniciantes, o que ajuda a difundir nossa cultura impulsionada por dados”, afirmou Andrew Salesky, diretor de dados.


Estabeleça o acesso governado aos dados e aumente a confiança dos usuários com uma estrutura ágil

Os silos de dados são comuns na maioria das organizações. Porém, com uma estrutura de gerenciamento de dados clara e ágil sustentando sua implantação, você terá dados limpos, confiáveis e prontos para uso que as pessoas certas poderão acessar.

Quais são os ingredientes do sucesso? Estabelecer o equilíbrio certo entre o controle e a liberdade dos usuários com uma estrutura de base que gera um ambiente de análise estável, seguro e confiável. Garantir que sua organização desenvolva processos iterativos e repetíveis também ajudará a maximizar o sucesso antes, durante e depois da implantação. Porém, trata-se de um processo constante. A avaliação, a manutenção e o monitoramento contínuos feitos pela TI também são muito importantes para assegurar que o desempenho da análise esteja atendendo às necessidades da empresa com mudanças e otimizações, e que o ambiente continue seguro para todos. Os resultados costumam ser economia de tempo e dinheiro, processos comerciais otimizados e relacionamentos mais sólidos com clientes e parceiros. Tudo isso melhora a reputação da marca e os resultados financeiros.

As análises de autoatendimento da JPMC deixaram de ser responsabilidade da TI e passaram a fazer parte da alçada de cada departamento. Isso permitiu que a empresa pudesse acompanhar as rápidas mudanças no setor e fazer otimizações para impulsionar o sucesso de seus negócios. Em um ambiente sujeito a regulamentos rigorosos, primeiro a TI precisou estabelecer a governança empresarial para conciliar a conformidade e o acesso aos dados. Com o apoio de sua comunidade de entusiastas dos dados (também conhecida como Central de Excelência) e com a TI como viabilizadora, a JPMC adotou o Tableau como sua solução de análise de dados empresarial. Isso aumentou a precisão dos dados, permitindo que quase 30 mil usuários das agências e mais de 500 equipes comerciais tomassem decisões melhores e mais estratégicas que fortalecem a integridade do banco.


Forme uma comunidade de entusiastas dos dados para expandir o uso da análise

A comunidade cria uma rede de pessoas em sua empresa que usam os dados para compartilhar e colaborar. Uma comunidade sólida só crescerá se os líderes ajudarem a reservar tempo, espaço e recursos para que todos aprimorem suas habilidades de dados. Consequentemente, isso aumentará a adoção e o aprendizado da análise, pois mais pessoas perceberão o potencial das informações descobertas, seja individual ou coletivamente. Além disso, sua empresa reduzirá os silos de dados, simplificará os esforços e alinhará melhor as métricas comerciais.

É fundamental que haja um líder da comunidade (ou um grupo de líderes). Essa pessoa deve documentar os recursos de capacitação, conectar os usuários e divulgar a análise em toda a organização, colocando os dados no centro das conversas. Com o estímulo dos líderes da comunidade, suas comunidades internas de dados poderão florescer por meio da interação com comunidades externas que compartilham a mesma paixão pelos dados.

A Cargill operava com um modelo de BI tradicional, mas mudou para o autoatendimento, fazendo com que todos se tornassem “viabilizadores da comunidade” curiosos e usuários ativos dos dados que convidam os colegas a se juntarem a eles. Buscando inspiração em comunidades de dados existentes, eles desenvolveram sua própria comunidade interna com o apoio da TI, que organizou desafios de visualização de dados e outras atividades para expandir as habilidades. No final das contas, a comunidade de análise da Cargill quadruplicou de tamanho, e milhares de funcionários descobriram oportunidades que valem milhões de dólares.

Tornar-se uma organização impulsionada por dados é uma jornada compartilhada

Ainda tem dúvida de que agora é o momento de se tornar uma organização impulsionada por dados ou de que você está preparado para cultivar uma cultura de dados? Lembre-se de que você não está sozinho nesse desafio. Outras empresas compartilham das mesmas dificuldades ou aspirações e tiveram sucesso com a atenção e o apoio adequados da liderança, mantendo a flexibilidade para se adaptar às mudanças nos negócios, investindo nas soluções tecnológicas certas atreladas aos processos estabelecidos e dando um grande foco às pessoas que definem a cultura da organização.

“Organizações líderes de todos os setores estão usando os dados e a análise como armas competitivas, aceleradores operacionais e propulsores de inovação”, explica Douglas Laney, vice-presidente analista na Gartner. Elas refletiram sobre seus objetivos, metas comerciais e desafios e sobre como o gerenciamento de dados poderia ajudar a lidar com essas questões. Seus recursos e resultados mostram tudo que é possível conquistar quando os dados e a análise se tornam o foco da estratégia, dos processos e dos investimentos de uma organização.

Leia mais sobre os elementos de culturas de dados sólidas e saiba como criar sua própria cultura de dados com nosso guia passo a passo, o Tableau Blueprint.

Conteúdo relacionado

Tableau Blueprint

Sua metodologia para se tornar uma organização impulsionada por dados.

Cinco elementos de uma cultura de dados

Saiba quais são os elementos que separam os melhores do resto.

Estruturas para estratégias de dados

Saiba como implementar uma estrutura para a estratégia de dados em toda uma organização.