Aprendizado

A melhor visualização para você

Há várias maneiras de visualizar seus dados no Tableau. Alguns gráficos são melhores do que outros para determinadas análises. Muitas vezes, um simples gráfico de barras é suficiente para comunicar suas descobertas.

Um gráfico de barras pode responder à maioria das suas perguntas

Em geral, você não precisa de uma visualização complexa para responder a todas as suas perguntas. Gráficos de barras, que são o tipo de gráfico mais popular no Tableau, facilitam a comparação imediata de informações. É melhor usar um gráfico de barras quando você precisa comparar dados entre categorias, como vendas por país. Veja a seguir alguns exemplos de quando um gráfico de barras funciona melhor do que outros tipos de gráficos.

image of Quando usar mapas ou gráficos de barras

Quando usar mapas ou gráficos de barras

Que país tem o segundo maior volume de vendas? Em vez de tentar comparar cores em áreas diferentes no mapa, o gráfico de barras facilita a comparação. A localização de cada país não é importante para esta análise. O foco é simplesmente comparar os resultados de vendas. Mapas são mais úteis quando as características geográficas são relevantes.

image of Quando usar gráficos de linha ou gráficos de barra

Quando usar gráficos de linha ou gráficos de barra

Quantos meses tiveram um lucro menor do que abril? Embora linhas do tempo sejam excelentes para analisar tendências, elas não são ideais para comparar pontos temporais discretos. Um gráfico de barras permite uma comparação mais rápida dos meses, em vez de mostrar as variações no lucro com o passar do tempo.

image of Quando usar tabelas de texto ou gráficos de barras

Quando usar tabelas de texto ou gráficos de barras

Qual subcategoria tem o maior custo para pedidos de primeira classe? Tabelas de texto são ótimas para expor os números reais, mas é mais difícil comparar valores (uma operação matemática) do que comparar o comprimento das barras (um atributo pré-atencional). Para perguntas comparativas como essa, um texto não é tão eficaz quanto um gráfico de barras.

image of Filtros = interatividade

Filtros = interatividade

Veja exatamente o que você está procurando com filtros. É simples adicionar um filtro à sua visualização. Basta clicar com o botão direito do mouse em uma pílula e selecionar “Mostrar filtro”. Filtros também são a maneira mais fácil de deixar a visualização mais interativa para seu público-alvo.

Filtre seus dados

Experimente! Explore outras possibilidades com estes conjuntos de dados

Use seus próprios dados ou estes conjuntos de dados públicos populares para praticar o que você aprendeu.


Os 500 melhores álbuns segundo a Rolling Stone

Veja quando os álbuns entram para a lista dos 500 melhores.

Críticas do Yelp - Las Vegas

Descubra quais restaurantes de Las Vegas têm as melhores (e piores) críticas do Yelp.

Medalhistas dos Jogos Olímpicos de Verão

Que curiosidades você encontrará sobre os medalhistas dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012? Critérios como país de origem, evento, medalha e gênero estão incluídos nos dados. Uma cortesia do The Guardian.

Qual gráfico é o correto para você?

O tipo de gráfico escolhido dependerá das informações que você está tentando mostrar. Em nosso whitepaper Qual gráfico é o correto para você?, exploramos 13 tipos de gráfico e quando usá-los. Estes são alguns dos tipos de gráficos mais populares.


Gráfico de linhas

Gráficos de linhas conectam pontos de dados numéricos individuais para formar uma... linha. Eles são ideais para analisar tendências ao longo do tempo e fazer previsões. Dica rápida: como criar um gráfico de linhas

  1. Arraste uma Dimensão de data até Colunas.
  2. Arraste uma Medida até Linhas
  3. Altere a data para um período diferente usando a seta suspensa ou clicando no "+" ao lado de Ano na pílula

Gráfico de dispersão

Gráficos de dispersão são ótimos para ver o relacionamento entre duas medidas e identificar tendências e exceções. Dica rápida: como criar um gráfico de dispersão

  1. Arraste uma Medida até Linhas
  2. Arraste uma Medida até Colunas

Mapa

Use um mapa quando estiver analisando dados de localização, como país, códigos postais ou uma codificação geográfica personalizada. Dica rápida: como criar um mapa

  1. Arraste qualquer Dimensão que esteja categorizada como um campo geográfico (ícone de globo) na exibição.

Mapa de árvore

Esses gráficos usam uma série de retângulos, aninhados dentro de outros retângulos, para mostrar dados hierárquicos em proporção ao todo. Como sugere o nome do gráfico, pense nos seus dados relacionados como uma árvore: cada ramificação recebe um retângulo, que representa quantos dados ela contém. Dica rápida: como criar um mapa de árvore No cartão Marcas:

  1. Altere o tipo de marca para quadrado
  2. Arraste uma Dimensão até Cor
  3. Arraste uma Medida até Tamanho
  4. Arraste uma Dimensão até Rótulo ou Detalhe

Anime sua visualização

As animações de visualização ajudam você a ver e entender as mudanças nos seus dados. É fácil monitorar as etapas lógicas por trás da evolução dos dados e usá-los para contar histórias incríveis. Classificação, filtragem, adição de campos e outras ações agora animam suas visualizações facilmente. Ative ou desative as Animações de visualização e decida como aplicá-las a suas novas pastas de trabalho.

Saiba como

Tipos de gráficos ensinados por nossos especialistas

Nossos instrutores especializados ensinarão você a criar tipos de gráficos avançados em nosso curso Desktop II: Intermediário.

Formatação para dar vida à sua visualização

Cor

A cor é um dos aspectos mais poderosos de uma visualização. São os dados que devem orientar o uso das cores para apresentar uma ideia, e não suas cores favoritas ou as cores da marca. O excesso de cores pode criar sobrecarga visual e impedir a análise. Portanto, adicione cores quando elas forem realmente úteis.

Rótulos de texto

Se você colocar um excesso de texto em sua visualização, ela ficará sobrecarregada e dificultará a análise. Por outro lado, um uso estratégico de texto pode chamar a atenção para informações fundamentais. Quando usados com bom senso, rótulos, anotações e títulos ajudam a indicar o que está acontecendo e onde o usuário deve se concentrar.

Dicas de ferramenta

As dicas de ferramentas são extremamente úteis e podem transmitir muitas informações de maneira compacta. Elas aparecem automaticamente quando o cursor do mouse é posicionado sobre uma marca e podem reforçar a história que você está contando. Ao criar uma visualização, pense bem no que você colocará na dica de ferramenta.

O que são pílulas?

Uma pílula é um campo ou uma coluna de dados para análise que você arrasta e solta no Tableau para criar sua visualização. Saiba mais sobre os diferentes tipos de pílula.
image of Diferença entre dimensões e medidas

Diferença entre dimensões e medidas

Dimensões contêm valores qualitativos (como nomes, datas ou dados geográficos). Você pode usar dimensões para categorizar, segmentar e revelar os detalhes nos seus dados. As dimensões afetam o nível de detalhe da exibição.

Medidas contêm valores numéricos quantitativos que podem ser medidos. Você pode aplicar cálculos a elas e agregá-las. Quando você arrasta uma medida até a exibição, o Tableau aplica uma agregação a essa medida (por padrão).

image of Diferença entre contínuo e discreto

Diferença entre contínuo e discreto

No Tableau, os dados são representados de forma diferente na exibição dependendo do tipo de campo. Campos discretos são azuis, enquanto campos contínuos são verdes. Contínuo e discreto são termos matemáticos. Contínuo significa “formar um todo contínuo, sem interrupção”, enquanto discreto significa “individualmente separados e distintos”.

image of Alterando os tipos de pílula padrão

Alterando os tipos de pílula padrão

Na maioria dos casos, as dimensões são discretas e as medidas são contínuas. No entanto, isso nem sempre é verdade. É possível fazer com que uma dimensão numérica seja contínua ou converter uma medida em discreta. Por exemplo, clicar com o botão direito do mouse em uma medida contínua ativa as opções “Converter em discreta” e “Converter em dimensão”. Observe que essas duas operações (converter em discreta e converter em dimensão) não são equivalentes.