Construa um futuro resiliente com estes hábitos orientados por dados

Nota do editor: Este artigo apareceu originalmente na Forbes

Todos os planos, desde os objetivos da empresa como um todo até as aspirações individuais, foram reescritos pela pandemia. Mais do que nunca, as empresas estão em busca de sinais que as ajudem a definir novos padrões de comércio, socialização e segurança.

Pode parecer incoerente, mas os ventos contrários e a incerteza criados pela Covid-19 trouxeram um momento ideal para os líderes se comprometerem com estratégias orientadas por dados e inovação, como afirmou Jackie Yeaney, vice-presidente executiva de marketing da Tableau.

“Se há um momento para os líderes de dados brilharem, é agora”, disse ela.  

Ao mesmo tempo que em que coloca esses dados nas mãos dos funcionários da linha de frente, o processo de enviar informações e dados por toda a organização (democratização dos dados) é um esforço que vale a pena, mas nem sempre é suficiente. Equipar os funcionários com ferramentas de relatórios e análises é apenas uma etapa de uma transformação cultural mais ampla que vincula os dados à missão central de uma organização.

Continue lendo para saber como criar uma base resiliente usando a análise.

Responder a crises requer informações imediatas

“Se a função da análise em sua organização tem sido apenas olhar no espelho retrovisor e entender o que já aconteceu, agora é a hora de mudar”, disse Ashley Howard Neville, divulgadora técnica sênior do Tableau. 

No beisebol, um treinador que muda a estratégia do jogo com base no que está ocorrendo no momento pode afetar o placar final. Um treinador que espera a chegada do resultado final, depois que a equipe já perdeu, não pode mais alterar esse resultado. 

“Atualmente, as empresas afirmam que estão muito mais interessadas em como as coisas estão mudando do que como elas terminarão, porque elas querem usar os dados para mudar os resultados”, disse ela. A análise oportuna pode ser a diferença entre ganhar e perder.

É por isso que uma cultura de dados em toda a organização é importante, junto com a tecnologia certa e uma força de trabalho ágil e orientada por dados. Quando os dados de relatórios estáticos são transformados em uma ferramenta valiosa, os funcionários desenvolvem novos hábitos, como a compreensão de tendências e oportunidades em meio a ciclos de negócios complexos. Uma crise pode dar início a novos hábitos sobre dados e análises, quando a incerteza é grande e a agilidade é necessária.

“Os líderes com quem conversei dizem que esperar para encontrar respostas nas quais você tenha 100% de confiança pode ser muito pior do que agir no momento oportuno com 80% de confiança”, disse Yeaney. “Eles estão abandonando as visualizações complexas em favor de ferramentas simples e ágeis que os líderes seniores podem usar.”

Antes da pandemia, a UNC Health, um sistema de saúde pública com 11 hospitais e centenas de clínicas na Carolina do Norte, desenvolveu um plano estratégico para a transformação gradual de dados. A Covid-19 acelerou o lançamento de novas tecnologias e novos tipos de colaboração. No início, a equipe de análise criou painéis para equipes executivas e de liderança para monitorar métricas como testagem, utilização e estoque de equipamentos de proteção individual. Depois de algumas semanas de sucesso, eles ampliaram esses recursos para mais de 30 mil usuários internos. A equipe continua a encontrar novas maneiras de olhar para os negócios e oferecer melhores resultados na área da saúde.

Aumente a propriedade com uma força-tarefa de dados

A liderança sênior pode gerar melhores resultados a partir de dados e análises, criando uma força-tarefa multidisciplinar para explorar os desafios decorrentes da pandemia.

Quando a Covid-19 se espalhou pelo mundo e as empresas começaram a migrar para o trabalho remoto, a Tableau viu uma oportunidade de liderar pelo exemplo, criando sua própria força-tarefa para fornecer informações confiáveis ​​sobre a pandemia em uma central de dados acessível ao público.

“Todos querem convidar as pessoas para voltar a trabalhar de uma forma segura”, disse Jeremy Blaney, gerente sênior de sucesso do cliente na Tableau.

A força-tarefa chegou a incluir 40 membros e contou com experiências técnicas e comerciais diversificadas. Inicialmente, a Tableau focou na velocidade e na relevância, dando à equipe ampla liberdade para enviar informações o mais rápido possível sem se preocupar com a estética, disse Yeaney. 

Porém, com vários meses de trabalho, a Tableau reconheceu uma oportunidade de aprimorar a experiência do usuário, concentrando-se mais na apresentação e na comodidade. Novos participantes se juntaram à força-tarefa para injetar novas ideias e dar aos membros fundadores a pausa que eles tanto precisavam.

“Reduzimos o tamanho e criamos uma equipe menor com funções mais claras”, disse Yeaney. “E trouxemos pessoas que não trabalharam nisso nos últimos seis meses para trazer uma nova energia.”

Uma força-tarefa centralizada em dados, especialmente em tempos de crise, pode trazer foco, velocidade e agilidade aos processos de dados. Ela também pode estimular a inovação e se tornar um modelo a ser seguido por outras áreas de negócios.

Investindo no futuro

Uma cultura de dados pode transformar a tomada de decisões de uma organização, mas cultivar essa cultura requer tempo, investimento e dedicação de toda a empresa. Líderes prontos para seguir em frente com iniciativas de cultura de dados se beneficiarão dessas quatro estratégias:

1. Conquiste a adesão dos líderes da empresa. 

Mude a percepção da análise de um investimento técnico baseado em custos para uma prioridade estratégica com patrocínio de alto nível. “Sem o apoio da área comercial, com líderes suficientemente importantes para o negócio que entendam como os dados podem ser usados ​​no dia a dia e qual o impacto disso nos negócios, você não terá sucesso”, disse Howard Neville.

2. Avalie seu progresso com precisão.

Howard Neville afirmou que muitas organizações superestimam a profundidade do compromisso com a análise em relação a seus concorrentes.

“Não é que as organizações de baixo desempenho não tenham programas de dados: talvez elas tenham dois ou três quando na verdade precisam de sete. Elas exigem habilidades em dados ao oferecer uma vaga de trabalho, mas as habilidades que elas pedem não são avançadas o suficiente”, disse ela. “Conforme você começa a fazer essas pequenas melhorias, percebe o valor do negócio.”

3. Dê crédito à análise quando o crédito for devido.

A recompensa para a análise em um momento de mudanças rápidas é semelhante à dos esforços de posicionamento de marca. As informações certas podem orientar uma decisão que economiza milhões de dólares ou podem abrir um novo mercado porque um concorrente não conseguiu manter os níveis de serviço durante a crise atual. Essas informações precisam ser creditadas à análise, não apenas à intuição.

4. Promova análises mesmo quando os tempos forem bons.

Reconheça que uma crise global não é necessária para justificar um senso de urgência em relação aos dados ou para capacitar mais líderes e funcionários a agirem com base em informações analíticas. “Mover-se rápido também se aplica a situações que não são de crise”, disse Blaney. “Com a velocidade dos dados disponíveis para qualquer organização, você não pode se dar o luxo de se mover devagar.”

Quer saber mais sobre o valor da cultura de dados? Confira essa explicação sobre a cultura de dados no Tableau.com para perspectivas exclusivas, histórias de clientes e dicas úteis.

Assine nosso blog