Magazine Luiza obtém acesso rápido aos dados de vendas



O Magazine Luiza é um dos maiores varejistas do Brasil. Antes, a visualização de dados de vendas podia demorar dois ou até três dias. Quando o Magazine Luiza iniciou seu projeto de BI, a empresa precisava uma ferramenta que a ajudasse a interpretar seus dados de lojas físicas e on-line. Os funcionários precisavam interagir com os dados e fazer alterações nas visualizações com rapidez, independentemente de seu nível de conhecimentos. Priorizando a inovação e a colaboração, o Tableau foi a solução ideal.

Com mais de 780 lojas, nove centros de distribuição e três escritórios em 16 estados brasileiros, o Magazine Luiza é um dos maiores varejistas do país.

A implantação do Tableau no Magazine Luiza começou nas áreas de planejamento de vendas e compras, e está se expandindo para outros setores, como logística e marketing. Com os serviços de consultoria da Tableau, os funcionários se familiarizam rapidamente com o software, que lhes permite fazer análises por conta própria.

Hoje, com os painéis do Tableau, relatórios que levavam até três dias para serem criados agora ficam disponíveis em questão de horas.


Tableau: O que encorajou você e sua empresa a implementarem o Tableau?
Roberto Montagner, Coordenador de Business Intelligence: Começamos um projeto de BI no final de 2013, que tinha como objetivo trabalhar tanto a inovação quanto a colaboração. Procuramos no mercado empresas que tivessem esse espírito de trabalho e conversamos com várias delas. Algumas tinham o que a gente não queria, e outras tinham implantado ferramentas tradicionais do mercado. Nesse ponto, por meio de uma referência do Instituto Gartner, descobrimos o Tableau e começamos a trabalhar esse projeto dentro de nossa área de TI.

Tableau: Vocês estavam passando por algum problema específico?
Roberto: O varejo tem uma dinâmica muito diferente, que exige que tenhamos informações rapidamente, de modo que possamos subsidiar as áreas de negócios para que façam previsões, produzam relatórios, tomem decisões etc. Por isso, estávamos buscando no mercado uma ferramenta que pudesse fazer isso, pois muitas vezes as informações estão inseridas em uma massa de dados e as pessoas não fazem ideia disso. Assim, o objetivo do nosso projeto de BI era permitir que o usuário pudesse, ele mesmo, visualizar e acessar os dados que fossem mais importantes para ele. A ideia era usar uma ferramenta que permitisse que a pessoa, mesmo errando, pudesse consertar o erro rapidamente, até chegar na informação que realmente pretendia conseguir.

A Tableau tem a mesma filosofia que estávamos buscando, de ampliar o acesso aos dados desde a equipe de TI ao usuário final.

Tableau: E como eles estavam fazendo isso antes do Tableau?
Roberto:: Tínhamos algumas iniciativas com ferramentas tradicionais de mercado. Ou seja, a área de negócio pedia para a TI, que desenvolvia e retornava para a área de negócio. Mas, com o aumento crescente na quantidade de informação, isso aumentava cada vez mais o tempo de resposta.

Tableau: Como foi o início da implementação, como o Tableau tem se desenvolvido na empresa?
Roberto: Nosso objetivo era implantar um projeto que priorizasse dois pontos principais: inovação e colaboração. Nesses aspectos, ficou claro que a Tableau poderia nos ajudar. No que diz respeito à colaboração, por exemplo, desde o início, a consultoria que trabalhou conosco, e até mesmo a própria equipe da Tableau, sempre estiveram muito próximas da empresa. Uma ocasião que nos chamou muito a atenção foi quando o Miguel (Nhuch), vice-presidente da Tableau, esteve no Magazine Luiza e, com o próprio notebook, começou a fazer uma demonstração para nossa equipe. Isso foi muito importante para a gente, pois demonstrou que realmente a Tableau tem a mesma filosofia que estávamos buscando, de ampliar o acesso dos dados da equipe de TI ao usuário final.

Tableau: Quais são os departamentos que usam o Tableau hoje em dia?
Roberto: Hoje, o Tableau já está bem difundido dentro da empresa. Começamos priorizando algumas áreas como a comercial e o planejamento de vendas, que são duas áreas de frente, que trabalham muito com a área de compras. Agora, outros setores também já usam o Tableau como logística e marketing.

Tableau: Que problemas a equipe do Magazine Luiza resolveu com o Tableau?
Roberto: Antes tínhamos um delay muito grande para receber os resultados detalhados de vendas ou de algumas campanhas, por exemplo. Hoje, já conseguimos visualizá-los on-line, em real time ou quando muito em near time. Além disso, algumas informações que demoravam às vezes dois ou três dias para serem compiladas, agora são preparadas em questão de horas.

O mercado de varejo exige respostas rápidas. Quanto mais rápido tivermos condições de fazer projeções ou de trabalhar com as informações antes da concorrência, mais a gente ganha com isso.

Tableau: De que forma o Tableau particularmente é útil para o seu mercado?
Roberto: O mercado de varejo exige respostas rápidas. Quanto mais rápido tivermos condições de fazer projeções ou de trabalhar com as informações antes da concorrência, mais a gente ganha com isso. Além disso, um dos preceitos básicos da Magazine é nunca acompanhar a concorrência, mas sim estar sempre à frente dela. Por isso, todas as áreas buscam esse objetivo, e com TI não seria diferente.

Tableau: Quanto tempo levou para implementar o Tableau?
Roberto: Começamos o projeto com o Tableau no final de 2013, os contratos foram assinados no começo de 2014, e as próprias provas de conceito (PoCs) que foram realizadas no início do trabalho já serviram para a área de negócios. Isso porque fizemos um modelo muito interessante no qual a decisão final da compra da ferramenta foi tomada pelo usuário. Realizamos PoCs com algumas ferramentas tradicionais do mercado, todas muito parecidas tecnicamente e que tiveram pontuações muito próximas. Selecionamos então as duas empresas que conseguiram ter as melhores avaliações em termos do que a gente queria, colocamos as áreas de negócios junto com essas empresas e fizemos uma prova de conceito de um produto que essas áreas gostariam de ter, tendo como objetivo o BI self service. As duas empresas atenderam, mas, no que diz respeito à “usabilidade” do produto, o Tableau fez a diferença e a área de negócios tomou sua decisão.

Tableau: Quanto tempo levou para os usuários começarem a gerar os painéis?
Roberto: Cerca de duas ou três semanas no máximo. Foi o tempo de instalarmos as versões desktop nas máquinas, e o pessoal começar a usar. A consultoria nos ajudou bastante nisso. Eles encarregaram uma pessoa para dar os treinamentos e as orientações iniciais. Aí, foi apenas a questão exponencial de distribuição dentro da empresa.

Tableau: O que vocês fariam se não pudessem contar com o Tableau?
Roberto: Continuaríamos com os métodos tradicionais, mas muitas coisas não conseguiríamos trabalhar devido à quantidade de dados. Isso significa que continuaríamos com os processos lentos e sem ter algumas informações que hoje são vitais para a empresa, principalmente no que diz respeito ao comércio eletrônico, por exemplo.



Você também pode gostar de...