Você provavelmente já deve ter ouvido os rumores sobre a mais nova versão do Tableau, o Tableau 2018.2, que já está em beta. Além de novos recursos incríveis, como as Extensões de painel e União espacial, estamos felizes por anunciar uma experiência totalmente nova para o Tableau Services Manager (TSM).

O Tableau Services Manager (TSM) foi introduzido pela primeira vez no Tableau Server 10.5 para Linux, substituindo diversas ferramentas de versões anteriores do Tableau Server: Configuração do Tableau Server, linha de comando tabadmin, Monitor do Tableau Server e gerenciamento de chaves do produto.

No Tableau Server 2018.2, o TSM será a ferramenta administrativa abrangente para instalar e configurar o Tableau Server nas plataformas Windows e Linux. Nós recriamos a arquitetura de gerenciamento subjacente para proporcionar mais flexibilidade com menos tempo de inatividade, facilitando para que os administradores do servidor possam automatizar diversas tarefas de gerenciamento do servidor, incluindo grandes alterações de topologia para processos de processadores em segundo plano e VizQL Server.

Novidades do Tableau Services Manager na 2018.2.

O TSM inclui três maneiras de gerenciar sua implantação: uma nova IU da Web, interface de linha de comandos (CLI) e a API do Tableau Services Manager, uma API REST pública (atualmente em alpha). Quando você inicializa o TSM, seus serviços são executados de maneira contínua em seu ambiente para gerenciar outros serviços do Tableau, mesmo quando o restante do Tableau Server está off-line.

Uma nova IU administrativa baseada na Web

A partir da configuração inicial do servidor, uma das maiores diferenças que você verá é a IU da Web. Os administradores do Tableau Server podem autenticar, configurar e gerenciar seu servidor remotamente com um navegador em vez de precisar acessar a máquina por desktop remoto ou SSH. Agora, você terá acesso a todas as configurações que antigamente podiam ser acessadas nos utilitários do menu iniciar do Windows pelo navegador.

Não há necessidade de uma máquina principal de backup.

No Tableau Server 10.5 para Linux, as configurações de cluster mudaram de um conceito de servidor principal/de trabalho a todos os nós como peers. No 2018.2, o Windows e o Linux tratarão todos os nós em um cluster como peers. Para configurações de alta disponibilidade, a arquitetura distribuída do TSM elimina a necessidade de uma máquina principal de backup dedicada. Se o nó inicial com o serviço de servidor de licenciamento apresentar falhas, o serviço de servidor de licenciamento pode ser transferido a um nó peer em vez de apresentar failover ao backup principal.

Você pode realizar solicitações diretamente para estes serviços usando a API do TSM. A IU da Web e a CLI interagem com a API do Tableau Services Manager API em pré-lançamento (atualmente em alpha). Usando a CLI do TSM, você pode automatizar tarefas de gerenciamento e configurações, incluindo os comandos executados previamente com o tabadmin e outros. Para obter mais informações sobre a migração do tabadmin para a CLI do TSM, visite Migrar de tabadmin para TSM CLI.

Suporte para alterações dinâmicas de topologia.

O TSM inclui suporte para alterações dinâmicas de topologia, permitindo aos administradores do servidor alterarem o número de processos do VizQL Server e processadores em segundo plano em execução em nós que já têm estes processos, sem a necessidade de reiniciar o Tableau Server. Os administradores poderão automatizar tarefas de gerenciamento, como aumentar/diminuir processos do VizQL e processadores em segundo plano em resposta a picos de exibição e tempos de atualização, respectivamente. Por exemplo, durante o horário comercial, quando o pico de uso estiver mais alto, mais nós poderão corresponder a processos VizQL alocados, enquanto à noite, serão necessários mais processadores em segundo plano para atualizações de extração de dados.

Menos tempo de inatividade associado com atualizações.

Ao atualizar para o 2018.2 de uma versão anterior, primeiro você desinstalará, depois instalará o 2018.2 em cada nó, individualmente. Em uma última etapa para inicializar o TSM, você executará um script para concluir a atualização. Nas atualizações subsequentes, o TSM apresenta uma nova maneira de atualizar o Tableau Server. Você pode executar o novo instalador do TSM para gravar os bits nos nós do Tableau Server antecipadamente, com o Tableau Server em execução. Depois, quando estiver pronto para continuar a atualização, basta executar o script para concluir o processo de atualização; essa é a única parte do processo de atualização que requer algum tempo de inatividade. Em um de nossos próprios clusters internos de 5 nós, uma atualização que precisava de 75 minutos de inatividade agora pode ser concluída em cerca de 15 minutos com o TSM.

Estamos felizes por trazer estas melhorias na administração do servidor para o 2018.2! Saiba mais sobre a versão do Tableau 2018.2 em nossa página Em breve. Para participar em nossos programas alpha e beta, entre em nossa comunidade de pré-lançamento.

Você também pode ter interesse em...

Assine nosso blog